quinta-feira, 20 de março de 2008

"Deus e a nova Espiritualidade!"


"A unidade das várias religiões só poderá se concretizar quando seus praticantes tornarem-se realmente conscientes de Deus dentro de si mesmos. Teremos, então, uma verdadeira fraternidade de homens sob a Paternidade de Deus."

(yogananda paramahansa).



Esta nova espiritualidade é marcada por uma nova e diferente construção do papel do divino e do humano na formação de identidade do homem.


Deus na construção atual das instituições religiosas é uma força a ser ignorada, a construção do Deus antropomorficas e antropopaticas baseados na experiencia pessoal dos sacerdotes e na dogmatica das instituições o tornou obeso demais para andar ou fazer alguma coisa pelos homens, e numa leitua mais profunda, evocamos Nietzsche e declaramos: "DEUS MORREU!" e é interessante mostrar-mos que na boca de Zaratustra, Nietzsche não declara a inexistencia de Deus, não transforma a declaração numa afirmação ateia, e sim, numa inconformidade em relação ao que transformaram o divino dentro das religiões, isto é, a maquina dos poderosos de manipulação das massas.


Maquiaram de Deus, pintaram seu rosto impedindo que os outros entendam e veja a realidade, de que Deus, YHAWEH, Jah, Alá, oxum, etc... são apenas quadros pintados de um mesmo Divino Pai/Mãe. Nosso desafio de uma espiritualidade conteporânea é tirar este sorriso de palhaço que pintaram na face do ETERNO, e depois de todo o espetaculo, conhecer a verdadeira face do DIVINO, e só assim encontrar o "nosso" Deus, pessoal e intransferivel, viveremos com nossos irmãos e irmãs e com nós mesmos a paz e a tranquilidade que excede todo entendimento e nehuma religião pode proporcionar de forma perene.




Clarence Santos

"Fratter, Teologus minor et Pecattor!"

Um comentário:

Lenine disse...

Gostei quando disse que Deus está com gordura morbita. Realmente, o alto clero das igrejas colocaram ele num pedestal aonde não existe nenhuma semelhança ou identidade dele com o povo. Por isso a necessidade da criação de Jesus, alguém humano e com fraquezas como todos. Isso pode ser um começo e uma explicação para a grande popularidade da religião. Na grécias, os Deuses mesmo sendo imortais e com poderes também tinham fraquezas: se embebedavam, trairiam suas mulheres, roubavam etc. criando assim uma identidade com o povo. Porem existe uma diferença nessas duas religiões na qual consigo, levemente, identificar, mas não entendendo perfeitamente como houve diferenciações das duas civilizações pela consequência dessa diferença. Na religião católica há uma ditatura de fé. entende?