domingo, 8 de março de 2009

O VELHO E O BERÇO


Parábola sobre a esperança”


Todos acreditavam que ele estava ficando louco. Um dia o pobre velho, já passado dos noventa, sai de casa, com todo o vigor e entra na floresta, machado na mão e sorriso no rosto, o que despertou a curiosidade de seus visinhos;


- O que vais fazer com este machado na floresta?


– Cortar lenha para fazer um berço!


- Pra quem?


- Pra meu filho que esta pra nascer!


E todos caiam na risada, pobre velho, acredita que terá um filho nesta idade. Mas ele estava vivendo uma promessa, um anjo havia avisado que a sua esposa lhe daria um filho, este tão esperado, o Filho da promessa, o Filho da Esperança. Não só esperava pela anunciação de sua esposa de que estava grávida, mas ele mesmo já vivia em seu coração grávido. E com a madeira cortada, em casa ele começa a construção do berço, não só para o filho, mas para esperança...


E nove meses depois a criança nasceu, e ele lhe deu o nome de sorriso, não pelo riso desacreditado e chacoteador dos seus visinhos, mas pelas gargalhadas que deu com a criança/esperança, pela alegria da espera alcançada.


Nos tempos do computador, da internet, tudo está ao nosso alcance apenas com um toque no botão, os novos dias nos fizeram desaprender a arte de esperar, não apenas no sentido do tempo, mas principalmente, nos fizeram perder a esperança, o que não temos hoje, nunca mais teremos. Estes novos tempos nos faz pensar que o velho construtor de berço não é só muito paciente, mas louco, nos dias de hoje não apenas ririam dele, mas também o internariam, acreditando que ele precisaria de tratamento, mas não, nós que desaprendemos a esperar é que precisamos, somos filhos mau educados que queremos tudo na hora que nos der na telha, e por isso vivemos doentes, estressados, depressivos, com a frustração do que não se pode ter, pelo menos não agora.


O que precisamos hoje, acima de tudo é aprender com o velho construtor de berço a bela arte da esperança, exercitar a nossa fé, aprender a acreditar, um antigo texto sagrado nos ensina;


“Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito!”


Um dia tudo dará certo, tudo ficará pronto, tudo entrará nos eixos, tudo se consertará, o filho amado, tão esperado nascerá, mesmo que venha ele em nossa velhice, ele virá, seja ele um filho propriamente dito, seja um amor desejado, uma casa própria, o trabalho nos tempos das vacas magras, a cura esperada, uma vida feliz. O que nos sobra não é o desespero, mas a esperança, o preparo, machado nas mãos, sonhos no coração e criança no ventre.


Daí então, um belo dia com a certeza que a arte da esperança nos dá, nos encontraremos, passeando em alguma das praças da vida com o filho amado nos braços!



Com todo carinho e esperança que tudo vai melhorar,



Clarence Santos

Frater, teologus minor et peccator

Um comentário:

Dáfni Priscila disse...

É verdade querido amigo,perdemos a beleza de escrever cartas e esperar semanas pra que ele chegue.Tirar fotos e levar para revelar,tudo parece estar perdendo a beleza...as coisas faceis demais ñ nos causa tanto prazer.Talvez seja esse o motivo q a cada dia deixe a sociedade menos paciente,com o parceiro,no trânsito,na faculdade enfim.
Como sempre seus textos são sempre motivos para se refletir...Grande abraço.Dáfni Priscila