quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A CRIANÇA E O PALHAÇO (OU A SAGA DO PALHAÇO TRISTE)

Pobre homem
Cansado
Castrado em seus sonhos
Reflete,
Decide.

Toma nas mãos uma bela taça de cristal
Bebe, vermelho e espesso sangue de bode
E ascende-se,
No balcão
Uma bela vela preta
Acende.

Logo
Face a face
Frente ao espelho
Conversa
Condescendentemente
Consegue
Consigo
Com demonios.
Toma as tintas
Da
Arte
E com arte
Marcam e escondem
As marcas do rosto.
Um falso sorriso
Perene
Pendurado
Pintado em sua boca,
Aquela calva peruca vermelha
A velha roupa branca de palhaço
Um laço de corda bem dado ao pescoço
Lança
Se lança
E faz assim
Da criança

A alegria.






Clarence Santos




Um comentário:

Vanessa Lima disse...

Olá!

Bem triste. Mas bem interessante essa percepção da morte que se aproxima...

Gostei!