quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

INSPIRAÇÃO DE PROGRAMA DE TV

Ele estava sentado no sofá de sua casa, cabeça baixa, olhando pros pés enquanto os colocava na sandália. Levantou, caminhou ate a estante e pegou o maço de cigarros, foi ate a varanda, caminhando e observando, uma rede atravessava o local, e a única luz que se via eram as pequenas lâmpadas de natal. Empurrando a rede se encostou na mureta da varanda, e enquanto olhava por entre as gradas o nada estampado na parede do prédio vizinho, riscou o fósforo e acendeu um cigarro, na verdade foi um isqueiro, mas ele sempre imaginava o barulhinho que fazia o riscar do fósforo e o estourar da chama na imaginação dos leitores. Recostou sobre a mureta e se deu a pensar no nada, foi ai que se pegou olhando pros pedaços de tintas arrancados da parede a sua frente, e como faziam formas engraçadas, o submarino da musica dos Beatles, um homem e outras coisas mais.
Enquanto observava a brincadeira de sua mente se espalhar pela parede do prédio vizinho, uma frase o trouxe de volta a melancolia anterior, foi o Michel Melamed que gritava no meio de sua sala, recostado sobre uma janela:
- Todos nós estamos presos do lado de fora de um abraço...
Ficou pensando sobre aquilo sem muito entender quando o Melamed repetiu e completou:
- Todos nós estamos presos do lado de fora de um abraço, completamente condenados a liberdade!
Apagou o cigarro quase o esmagando no cinzeiro, entrou na sala quase que correndo, olhando de canto de olho o filosofo em sua janela repetindo aquela frase e imaginando o quanto existe de verdade naquelas palavras, entrou no quarto e a encontrou deitada na cama, já adormecida, o lençol cobria parte de seu corpo branco e belo, iluminado por uma fresta de luz que teimava em entrar por entre as frestas da cortina, tirou sua roupa e deitou ao seu lado, e como que por instinto, ela se virou, ainda adormecida, de olhos fechados, jogou seus braços e pernas sobre o seu corpo, deu-lhe um beijo de princesa adormecida e balbuciou por entre o beijo...
- Te amo!
Ele respondeu e a aconchegou ao seu lado, sobre seu corpo, e como em uma bela pintura ou um apoteótico final de um belo filme de amor, adormeceram abraçados.



Clarence Santos

2 comentários:

Luana Lopes disse...

A vida secreta das palavras é incrível, e o mais incrível e encantador é organizar-las e entendê-las. Muito linda toda essa história, as memórias reais de qual "participamos" todos os dias.
Lindo texto.

Dáfni Priscila disse...

Estava com saudades de suas palavras.