sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Sobre as cores da solidão...

 
Outro dia tava dizendo que queria ta morando em São Paulo,
pelo menos solidão por la é clichê...

Ai a 
Aline Lopes lembra:

- o Zeca baleiro que canta isso viu... 


...mais solitario que um paulistano....

E a gente ri...
E ela continuou:

- Teve uma entrevista, que uma reporter perguntou ao Zeca sobre o trecho da musica...

Fez um silencio daqueles que nos deixam extremamente curioso, e perguntei...

- E ele?

- O Zeca? o Zeca respondeu...que o paulistano não é tão solitario, o problemas são os prédios, tão cinzas, dai fica meio solitário...

Fez uma pausa pensativa e soltou

- Vai saber...

Risos...
e olha pra mim com a sinceridade que lhe é inerente e fala

- Mas a tua vida esta longe de ser cinza Clarence, tua vida é colorida com as cores do amor, da alegria e da vida, eternidade... não sei qual cor pode representar tudo isso, mas você tem ela com toda certeza

Falei com o olhar perdido no nada...

- Talvez isso seja o que de fato dói, o fato de acostumar com cores fortes e depois vê-las mais claras, desbotadas...

- Mas continuam sendo cores... não se apaga, fica clara, mas depois volta forte que até arde os olhos

- É Aline, você também é bem colorida, e além, uma das maiores pintoras da vida que conheço, obrigado por isso, assim você me fez muito bem...

- Acho que sou colorida por ter medo da solidão, mas é isso, a vida passa, e o amor fica cada vez mais forte...


Clarence Santos
Aline Lopes

Foto Coletivo Casa de Marimbondo

Um comentário:

Camila Mendes - indiamila@hotmail.com disse...

kkkk! adorei a referência: "mais solitário que um paulistano" kkkk

cores,amores, flores...me fez lembrar Tarsila do Amaral!